top of page
  • Foto do escritorRedação Bisbi Regional

Ex-mulher diz se arrepender por defender Daniel Alves em caso de agressão sexual: 'Fui usada'

A cusado de estupro de uma jovem em uma casa noturna de Barcelona em dezembro, Daniel Alves pode ser julgado ainda neste mês na Justiça espanhola. Preso desde o início de 2023, o jogador de 40 anos contou com o apoio da ex-mulher e parceira de negócios Dinorah Santana ao longo dos últimos meses, mesmo estando separados há 12 anos. Nesta semana, ela diz se arrepender de ter defendido o lateral e afirma que as entrevistas que concedeu ao longo de 2023 foram "ensaiadas".



Em diversas oportunidades, Dinorah afirmou, publicamente, que confiava na inocência do jogador, que está preso em Barcelona, no presídio Brians 2, desde o dia 20 de janeiro. Em fevereiro, disse que colocaria sua "mão e corpo" no fogo pelo ex-marido. "Há estupradores condenados nas ruas. Dani não é estuprador, como ele está preso? Isso é o que não me entra na cabeça", disse, em entrevista ao canal Telecinco. A reportagem do Estadão entrou em contato com a assessoria de Daniel Alves, mas não obteve resposta até o momento desta publicação.


Ao portal UOL, Dinorah relembrou essas últimas entrevistas e diz se arrepender das palavras que utilizou e do que disse em defesa de Daniel Alves. "Ajudei por ser o pai dos meus filhos e me arrependo justamente porque ele parece não se importar com isso. Sinto que fui usada, colocada como uma boneca para repetir frases. Disseram: 'Traga as crianças para Espanha, venha', e eu fui. Advogados me passaram falas decoradas no aeroporto, para falar com os jornais, e eu fiz. Na hora só pensei que o certo era defendê-lo. Mas quando eu não fui mais interessante para ele e nem para seus advogados, ele sumiu", afirmou.


Dinorah se mudou com os filhos Daniel, de 17 anos, e Vitória, de 16, para Barcelona neste ano. A ideia dos advogados era utilizar a família do jogador para conquistar a liberdade provisória de Daniel Alves enquanto ele aguardava o término das investigações e o julgamento na Justiça espanhola. "A minha expectativa é ficar o mais longe possível do senhor Daniel. Nada que ele faça ou deixe de fazer importa. Ele não existe mais. Cheguei a defendê-lo publicamente e me arrependo muito. Hoje não quero saber de sua existência. Para mim, ele morreu", disse.


"O Daniel que foi casado comigo, aquele homem que ficou 10 anos ao meu lado não seria capaz de uma agressão, e por isso eu o defendi. Mas o homem com quem fui casada também não faria o que fez com os nossos filhos. Então, não tenho mais como opinar. Me separei dele há 12 anos. Não achava que ele seria capaz de muitas coisas, e ele fez." Dinorah afirma que sua família sofre ataques nas ruas e que foi traída pelo jogador enquanto foram casados, entre 2008 e 2011.


NOVA ADVOGADA

Preso na Espanha por agressão sexual desde janeiro, o jogador brasileiro será, a partir de agora, representado no processo por Inés Guardiola, de acordo com o Canal Cuatro. Segundo a imprensa espanhola, a profissional já teria se encontrado com o lateral e tem a autorização de Cristóbal Martell, antigo advogado do brasileiro, para assumir o processo.

O desejo de mais uma troca em sua defesa partiu da vontade de Daniel Alves e de pessoas próximas ao brasileiro. A escolha por Martell para o processo - para assumir o lugar de Miraida Pontes, que foi a primeira no caso - não era vista totalmente como positiva. Apesar de conhecido por grandes casos na Justiça, Martell não tinha tanta experiência com casos de crimes sexuais, como é o de Daniel Alves.

Commentaires


Opinião

bottom of page